30 ANOS SEM SENNA

Há 30 anos o ídolo Ayrton Senna deixou um vazio no automobilismo mundial e no coração de milhares de brasileiros.

5/2/2024

Mais um domingo de corrida, luvas e macacão apostos, vinheta do esporte espetacular tocando, onde o coração já batia forte, e eu, típica criança brasileira que acordava cedo aos domingos pra ver o Senna ganhar, estava ali. Entusiasmada pra que começasse logo a corrida, adorava ver o jeito como o Senna guiava o carro, ultrapassagens marcantes, a rivalidade com os outros pilotos, porque dificilmente alguém fazia uma largada tão agressiva, limpa e tão bonita quanto ele. Era o jeitinho Senna de superar as adversidades.

Mas o que me dava um quentinho no coração mesmo, era ver ele vencendo. Mesmo que isso rendesse algum problema no câmbio e ele tivesse apenas três marchas disponíveis, pra vencer a corrida. O que quase sempre acontecia! Porque era muito legal ver ele com uma das mãos pra cima, segurando a bandeira do Brasil e o Galvão gritando incansavelmente "Ayrton, Ayrton, Ayrton Senna do Brasil". Eu me lembro o quanto isso me deixava empolgada, pertencente e arrepiada. Era como se a cada vitória dele, despertasse em mim a esperança, de que eu também teria uma vida brilhante e pra uma criança, ter sonhos espelhados e inspirados no seu ídolo, é muito prazeroso.

Era bonito ver em cada domingo um brasileiro levando o Brasil ao topo. Um brasileiro que sabia muito bem usar as suas palavras, era autentico, inteligente e em tudo o que ia fazer colocava o seu coração a frente. Acho que isso eu aprendi com ele, pra tudo o que for fazer, fazer com o coração, colocar o amor em tudo e fazer bem feito.

Com alguns anos mais experiente, sabendo onde eu quero chegar, eu retomo a minha paixão por automobilismo com ênfase total em Fórmula 1, onde eu me visto de mim e sigo o meu coração. E isso diz muito sobre nunca desistir dos seus sonhos e ser persistente. "Busque sua verdade."

Obrigada Ayrton Senna da Silva, mais brasileiro impossível, por ter feito com que eu despertasse a minha paixão por jornalismo esportivo, ter voltado umas 10 casas no meu processo de transição de carreira, mas por ter seguido o meu coração. Hoje eu tenho uma fala muito potente, onde costumo dizer que tudo o que faço relacionado a automobilismo e jornalismo é fácil, mas na realidade, não é que é fácil, é que eu faço com o coração e já que dizem que lar é onde o coração está, então eu voltei pra casa.

Um pouco da história

Ayrton Senna começou a sua carreira como piloto, em julho de 1973 no Kart, onde acumulou inúmeras vitórias e títulos nos campeonatos. Mais tarde em 1981, estreou na Fórmula Ford onde se juntou a melhor equipe do Campeonato Europeu, a Van Diemen. De Fórmula Ford 1600 para Fórmula Ford 2000, onde quebrou recordes. Alcançando nove vitórias consecutivas.

Em 1982, surge o interesse das equipes de Fórmula 1 pelo piloto brasileiro, no ano seguinte, 1983, Senna segue na Formula 3 inglesa, onde corria pela equipe West Surrey Racing. Que com um desempenho inigualável, nem precisou competir pela categoria em 1984. Onde ao final do ano já estava pronto para a Fórmula 1.

Senna estreou na Fórmula 1 em 1984, pela equipe chamada Toleman. Onde conseguiu resultados expressivos mesmo com um carro inferior ao dos adversários. No ano seguinte, em 1985, foi contrato pela Lotus, onde ficou até 1987 e as grandes exibições de Senna chamaram a atenção do mundo. Em 1988, o brasileiro assinou com a McLaren. Senna viveu o ápice da carreira da equipe inglesa. Foi campeão mundial logo no primeiro ano, em 1988, pela escuderia, bicampeão mundial em 1990 e tricampeão em 1991. Carismático por natureza, Senna levou o Brasil pro mundo no esporte a motor.

Ayrton Senna morreu após um acidente quando liderava o GP de San Marino, em Ímola, na Itália, no dia 1º de maio de 1994. Na época com 34 anos, o piloto bateu a mais de 200 km/h na curva Tamburello e não resistiu aos ferimentos e há 30 anos o ídolo deixou um vazio no automobilismo mundial e no coração de milhares de brasileiros.

O lendário e inesquecível Ayrton Senna, conquistou três títulos de campeão mundial, 41 vitórias e 65 pole positions.

Foto: Site F1